Leituras da quarentena

O jardim, a tempestade, de Jamil Snege

Embora curto e aparentemente de leitura rápida, "O jardim, a tempestade" (Travessa dos Editores, 2004), de Jamil Snege, pode exigir tempo maior que o previsto para desvendar suas linhas, suas delicadezas, ora de jardim, e seus escrachos, ora tempestivos. No prefácio Fábio Campana foi preciso ao descrever o Jamil presente nesta obra: hermético e profundamente humano, ou seja, cuidadoso com a linguagem e perdido nas paixões, que nas palavras de Campana “nos fazem reconhecer um mundo que preferiríamos não fosse o nosso”.

Deixe uma resposta