Tradição lá, apatia aqui

Essas erupções de violência antirracista, de certa forma comuns nos EUA, a atual com uma semana seguida de manifestações em mais de cem cidades com vandalismo, destruição do patrimônio público e que acumulou quatro mil prisões em cinco dias, jamais encontraram no Brasil esse tipo de ressonância até porque a ação policial, de cada cem mata 75% de negros como rotina nas comunidades faveladas. Uma frase de angústia e desespero de George Floyd, a de que não podia respirar, transformou-se em legenda e foi repetida por todo o país como se estivesse faltando oxigênio para os manifestantes rebelados na dramatização.

Como o cerco chegou à Casa Branca, que se viu impelida a apagar as luzes, Trump passou a cogitar de algo mais do que a força nacional para deter a escalada: mobilizar o Exército e unidades antimotim, já que em todos os casos as marchas começavam pacíficas e de repente se tornavam furiosamente agressivas e fora de controle. Há até entre os supremacistas – que não são poucos – a consciência da culpa acumulada na questão racial e isso é tanto verdade que os atos de discriminação positiva (como as concessões nas escolas) que deles herdamos num esforço de inclusão estão aí presentes no sistema de cotas.

A morte do adolescente João Pedro Matos Pinto, dentro de casa, por um tiro nas costas no Rio de Janeiro, voltou a mexer com o tema que volta e meia se dá nas balas perdidas e que expõe a alta letalidade da atuação policial nos confrontos em que as abordagens se transformam à falta de uma cultura mais apropriada. O assassinato da vereadora Marielle, que teve destaque internacional, permanece como um dos desafios ao sentido de justiça contra o poder paralelo das milícias vinculadas à prática política e por isso próximas do poder legal.

Há um espesso conformismo nas reações da massa em nosso país, ao contrário do que se vê nos Esteites com a sequência de acontecimentos na oposição ao racismo inserido no sistema e que a rebelião, volta e meia, registra, talvez para lembrar que ele resiste.

Deixe uma resposta