É preciso três semanas de queda para aulas voltarem

Na 24ª reunião do Fórum Metropolitano de Combate à Covid-19, realizada por webconferência na tarde de segunda-feira (21), o coordenador da secretaria de Estado de Saúde (Sesa), Geraldo Biesek, disse que as aulas presenciais  nas redes pública e privada de ensino só vão ser retomadas se os números de contaminados e mortos por Covid-19 registrarem queda por três semanas. “As aulas só irão iniciar se tivermos três semanas de queda (nos números) importante”, comentou ele após mostrar gráficos que indicam um platô no estado.

A Sesa divulgou nesta segunda-feira (21) mais 601 casos confirmados e 36 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 163.762 casos e 4.103 mortos em decorrência da doença. O número de novos casos é um dos menores dos últimos meses no Estado. Desde o final de junho um boletim da Sesa não trazia um número tão baixo, mas o platô ainda continua alto. As informações são do Bem Paraná.

O protocolo de retorno às aulas no Paraná, feito pela Secretaria de Estado de Educação e Esportes (SEED), já foi aprovado pela Sesa, porém os professores e funcionários do rede estadual de ensino já aprovaram indicativo de greve caso as aulas retornem.  A categoria defende que as aulas só retornem quando a vacina contra o coronavírus for aprovada.

Prefeituras da RMC decidirão horários do comércio por decretos próprios

Os municípios da Região Metropolitana de Curitiba devem decidir, por meio de decretos próprios, os horários para abertura do comércio. A decisão foi tomada em conjunto, durante a mesma a reunião do fórum.  O presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba (Assomec), prefeito de Fazenda Rio Grande, Marcio Wozniack, que preside o Fórum, disse que os protocolos serão mantidos. “O Decreto Metropolitano deixa livre o horário (do comércio) para os municípios decidirem pelo tempo que desejarem. (O decreto) sugere suprimir regramento de horário, ficando livre conforme o município entender sua necessidade”, comentou.
Marcio ressaltou que as leis estaduais que regem as questões da bebida alcoólica e uso de máscara serão respeitados. O Fórum também contou com as participações dos prefeitos da RMC, representantes do Cresems e COE.

Deixe uma resposta