Amizade

Segundo a Wikipédia é uma relação afetiva, a princípio, sem características romântico-sexuais entre duas pessoas. Em sentido amplo, é um relacionamento humano que envolve o conhecimento mútuo e a afeição, além de lealdade ao ponto do altruísmo.

Algumas definições, principalmente aquelas que tentam definir algo indefinível, normalmente esbarram numa burocratização do conceito. Praticamente fazem uma pasteurização desse conceito para que saia admiravelmente asséptico. Parece que foi o que aconteceu na definição acima.

Na vista do meu ponto, verdadeiramente, sabemos por quem nutrimos amizade. Muitas pessoas nos conquistam, nos trazem admiração, respeito, carinho etc. Mas estou falando de amizade. Aí temos que subir  alguns degraus nessa escala de valores.

Em sua Ética à Nicômaco, Aristóteles dedica dois livros ao estudo da ‘philia’, da amizade que tem uma importância significativa para a vida humana, levando o filósofo a declarar: “ninguém deseja viver sem amigos, mesmo dispondo de todos os outros bens”.

A concepção de amizade está no centro do pensamento ético e político do filósofo grego e possui relação direta com a virtude e a felicidade. Como virtude, a amizade suscita a benevolência, a reciprocidade e o querer bem. Porém, antes e acima de tudo, querer o bem ao outro.

Na obra aristotélica encontramos pelo menos três tipos de amizade: por prazer, por interesse e a amizade verdadeira. Obviamente que estou aqui tentando exaltar a amizade verdadeira, pois essa é a mais sublime. Sem a menor possibilidade de comparação com as outras, que visam uma finalidade. Diferentemente disso, o que sublima a amizade  verdadeira é o fato de visar somente a bondade, buscando o bem do amigo por amor ao amigo. Aqui, então, entra o verdadeiro ingrediente que a torna o que é, aqui entra o amor. Este é o diferencial para distinguirmos nossos verdadeiros amigos. Aqueles a quem envolvemos a amizade com o invólucro do amor. Também não podemos deixar de admitir que dentro dessa amizade verdadeira caiba a utilidade e o prazer, visto que, o que é bom também pode ser útil e prazeroso.

Deixe uma resposta