Milagre na favela

Nos charcos do silêncio, há gritos soterrados. A favela, porém, é um clamor surdo. Um clamor feito de barracos encardidos e ruelas malcheirosas. Visto da elevação onde se encontram os cinco personagens desta narrativa, à luz fraca do crepúsculo, o casario irregular – tábuas e zinco e desalento – tem qualquer coisa de um cenário de teatro. Em primeiro plano, […]

Continue lendo »

As palavras no galpão

Meu fascínio pela letra impressa não foi produto do acaso nem de um nobre pendor familiar. Sou neto de imigrantes – e ao que me consta nenhum dos meus avoengos tinha tratos literários. Do lado da minha mãe, um avô anarquista, construtor de pontes e de muralhas; uma avó camponesa, versada em generalidades domésticas e ávida leitora de folhetins. Italianos, […]

Continue lendo »

Noite de menino

Há muito que a poesia é prioridade aos nossos olhos. Mesmo que não se perceba, tudo que rodeia, com um pouco mais de atenção, vira linhas de beleza e de dor. Sem rimas, com rimas, com choro, com velas. A poesia está para a pessoa, assim como a pessoa está para fé ou para a ilusão. E tem uns, mais […]

Continue lendo »

A Sombra Dourada

Um romance notável de Guido Viaro Verdadeiramente encantado – e talvez fosse mais adequado utilizar outro verbo, deslumbrado – concluo a prazerosa e enriquecedora leitura do mais recente romance de Guido Viaro. É o décimo terceiro, mais um marco miliário na estrada larga da criatividade do paranaense e, pela minha ótica privativa talvez precária e certamente discutível, o “primus inter […]

Continue lendo »

DAVID LINCH E O TORPOR

Na dura-mater: o ponto negro e os sonâmbulos catatônicos Há muito tempo sua estrada perdida (The Lost Highway) pavimentada com seus delírios estrambóticos, não conduz à Oz mas somente ao vácuo, ao nada. Um niilismo pueril impregna seus passos à custa de pés descalços e poeirentos. Afinal, seu alter ego (Dale Cooper), padece atualmente da síndrome de Cinderela. Lynch vive […]

Continue lendo »
1 8 9 10 11