Deixo o poeta arder

A música no jardim tinha dor inexplicável Anna Akhmátova Quando eu for […] contem o número de mosquinhas do banheiro Mariana Marino Não cheguei nem perto, ouço só o que dizem, mas sei o que está escrito. E é assim que começo nossa conversa, numa confusão entre vida e morte, num segundo olhar atrasado, sabendo estar tomada por uma doença […]

Continue lendo »

Jamil Snege: Criador e criatura de um itinerário nonsense

Sem compromissos cronológicos, visões — de 1960 a 2003 — de momentos para sempre memoráveis sobre aquele que só quis ser o que foi: paranaense, provinciano, universal, iconoclasta, underground (ou avant-garde?), crítico de seu tempo, cronista, contista, sociólogo, marquetólogo, publicitário, modelador de políticos, homem de espírito, amigo, genioso, genial, “pão-duro”, generoso. Enfim, o Jamil, acima e além da crítica literária. […]

Continue lendo »