Deixo o poeta arder

A música no jardim tinha dor inexplicável Anna Akhmátova Quando eu for […] contem o número de mosquinhas do banheiro Mariana Marino Não cheguei nem perto, ouço só o que dizem, mas sei o que está escrito. E é assim que começo nossa conversa, numa confusão entre vida e morte, num segundo olhar atrasado, sabendo estar tomada por uma doença […]

Continue lendo »

A desigualdade do coronavírus: a realidade na favela

O primeiro caso de coronavírus no Brasil foi confirmado no dia 16 de fevereiro. Semana passada completamos dois meses desde então. Nestes 60 dias, muita coisa mudou. De início não assustou muito. Depois cogitou-se ser algo rápido e passageiro. Até que o objetivo de todas as nações do mundo com exceção de três líderes – Belarus, Nicarágua e Turcomenistão (todos […]

Continue lendo »

Quem vai e quem fica

Movimentos migratórios aconteceram em diferentes épocas e acompanham a história da humanidade. Os motivos que levam grupos a migrarem são vários: alterações climáticas, intolerâncias políticas, culturais ou religiosas, insegurança ou insatisfação com o governo do seu país… E na bagagem sempre a esperança que lá seja melhor do que aqui. A SAÍDA PELO AEROPORTO Nos últimos anos é possível perceber […]

Continue lendo »

Sem base não se anda

As projeções sobre a educação básica no Brasil   A palavra base vem do grego básis, “pedestal”, e tem como sinônimo as palavras sustentação, suporte, princípio, apoio e outros termos que se relacionam com fundação, algo inicial e necessário para se avançar. As complexidades da educação básica no Brasil devem ser encaradas para que se entenda sua urgência para o […]

Continue lendo »

Palavras gastas novas prontas

As palavras se gastam pelo uso e por mais que eu queime tutano e neurônios não consigo inventar palavra nova forte, indestrutível, para dizer eu te amo. (Palavras gastas em As coisas simples de Fábio Campana)   A poesia, mesmo quando fala do cansaço por sua tentativa em inventar, faz algo novo, diferente, comunicável pelo som que corre em nosso […]

Continue lendo »

O único nós possível

Na tentativa de encontro com novas narrativas o esforço não é necessário. As vozes diversas estão em toda a parte e o que move é a perspectiva da urgência. Elas sempre estiveram aqui. Qual é a expectativa do encontro agora? O que põe seu olhar aqui, para elas agora, o que te faz caminhar no trajeto da sobrevivência? Você teve […]

Continue lendo »

Quase sempre perdida

A história vista de baixo. Para os historiadores, é a possibilidade de compreender os movimentos não só de opressão, e sim de resistência e de luta da classe operária e camponesa. Talvez, se fosse o caso de analisar o livro Benedito Rosário, de João Urban, na perspectiva histórica, a abordagem escolhida seria a marxista dos britânicos E. P. Thompson e […]

Continue lendo »
1 2