Leituras de quarentena

Antologia poética de Anna Akhmátova O tom intimista e confessional de sua poesia fez com que Anna Akhmátova (1889 – 1966) se tornasse um grande sucesso desde a publicação de seu segundo livro, Rosário, em 1914. A autora russa não entrou para competir pelo espaço literário, mas criou a partir de sua poética uma outra mirada sobre as experiências pessoais e […]

Continue lendo »

Deixo o poeta arder

A música no jardim tinha dor inexplicável Anna Akhmátova Quando eu for […] contem o número de mosquinhas do banheiro Mariana Marino Não cheguei nem perto, ouço só o que dizem, mas sei o que está escrito. E é assim que começo nossa conversa, numa confusão entre vida e morte, num segundo olhar atrasado, sabendo estar tomada por uma doença […]

Continue lendo »

Nocaute

Inicialmente sorria. Irritou-se, cenho franzido depois. Também seguiu pelos corredores, café, bate-papo, cigarro e bocejo. Dois ou três minutos do clique até o Word abrir. A espera pelo Google e para conferir e-mails ultrapassava cinco, seis, sete minutos. Disse para si mesma que nesses intervalos poderia ler a Ilíada, Dom Quixote, Moby Dick e Alice no país das maravilhas. E […]

Continue lendo »

Binaca

Nunca mais fui ao Café & Restaurante Trem Pagador. Almocei por anos no local, onde a refeição era e talvez ainda seja servida até as 15 horas. Por ser autônomo, poderia, em tese, almoçar na hora em que quisesse. No entanto, para sobreviver sou obrigado a participar de reuniões, algumas realizadas no tradicional horário de almoço. Mas, enfim, frequentei assiduamente […]

Continue lendo »

As coisas simples

Escolho “Preparativos”, que está nas páginas finais do livro “As Coisas Simples”, surpresa poética mais recente de Fábio Campana, para iniciar breve deambular pela alma do vate, seus sonhos, suas mágoas, suas dores, e as realidades que acentuam sua saudade do porvir – que não chega nunca. No seu horizonte, parece haver negras nuvens e apenas uma “tarde suspensa ao […]

Continue lendo »

Procissão de Eus

O escritor Milton Ericksen Carneiro nasceu no dia 16 de outubro de 1902, e viveu rodeado por uma geração de intelectuais que se destacou no cenário curitibano. Companheiro de Léo Cobbe, Bento Munhoz da Rocha Neto, Homero Braga e outros, o médico, professor e escritor era uma boa mistura de poeta e boêmio. Além da docência na área de Biologia […]

Continue lendo »