Leituras de quarentena

Antologia poética de Anna Akhmátova O tom intimista e confessional de sua poesia fez com que Anna Akhmátova (1889 – 1966) se tornasse um grande sucesso desde a publicação de seu segundo livro, Rosário, em 1914. A autora russa não entrou para competir pelo espaço literário, mas criou a partir de sua poética uma outra mirada sobre as experiências pessoais e […]

Continue lendo »

Os engenheiros do caos

“Os engenheiros do caos”, de Giuliano da Empoli, vai além da análise dos líderes do populismo de nossa época para mostrar os bastidores da construção de políticos de sucesso como Trump, Boris Johnson ou Jair Bolsonaro pelo uso “eficiente” das redes sociais. Empoli mostra como os fake news, as teorias da conspiração e os algoritmos são usados para disseminar ódio, […]

Continue lendo »

Prateleira. Ed. 222

As hortênsiasO livro de Felisberto Hernández traz uma novela e três contos de um dos maiores escritores uruguaios do século XX. “As Hortênsias” narra a obsessão de Horacio pela observação de bonecas chamadas Hortensias, cada vez mais parecidas com mulheres de carne e osso. Ele as expõe em vitrines e as faz personagens de histórias que inventa para elas. Em […]

Continue lendo »

Prateleira. Ed. 219

Griffin & Sabine A primeira indicação do ano é de Ana Paula Peters, professora da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (UNESPAR), especialista em História da Música, mestre em Sociologia e doutora em História pela Universidade Federal do Paraná. Sua indicação é Griffin & Sabine: uma correspondência extraordinária (1991). Griffin & Sabine é o primeiro livro da trilogia […]

Continue lendo »

Prateleira. Ed. 217

Na prateleira de Natasha Tinet A indicação do mês é de Natasha Tinet, escritora e ilustradora. Integra a grupa Membrana e co-edita a Totem & Pagu Firrrma de poesia. Seu livro de poesia, Veludo Violento, foi lançado em dezembro de 2018 e ficou em segundo lugar no Prêmio da Biblioteca Nacional de 2019. Natasha indicou O coração é um caçador […]

Continue lendo »

Prateleira. Ed. 212

Lúcia McCartneyRubem Fonseca, em Lúcia McCartney, parece ter alcançado o que todo escritor pretende com seu livro para além do sucesso de público e de crítica, desde 1967, quando o livro foi lançado. A satisfação mora na densidade dos temas, no ritmo, no sintetismo, na narração fluida. Tais características tornaram os 19 contos presentes na obra um marco na literatura […]

Continue lendo »

Prateleira. Ed. 209

Um alemãoEwald era descendente de mestres-cervejeiros alemães. No início da década de 1950, deixou o Rio Grande do Sul e, em meio à Floresta do Oeste do Paraná, instalou sua pequena indústria de bebidas em uma comunidade de gaúchos. Quinze anos depois, faleceu prematuramente e deixou um filho de dez anos. O menino hoje conta as histórias do pai. O […]

Continue lendo »