Pau-de-arara

Tempo de lamber as feridas recolher as garras e escolher as palavras que não serão ditas. Atravessar o deserto de signos Nu. Músculos flácidos Valores esfarrapados. Impossível bloquear O dia inaugural do pesadelo que resiste como resiste o vermelho das inscrições nos muros, ou a lembrança dos pássaros mortos. Pulsos presos aos tornozelos, barra de ferro entre os braços e […]

Continue lendo »